Como produzir e cuidar do seu fermento natural?

A produção de pães artesanais tem conquistado o gosto do público e ganhado espaço nas melhores padarias do mercado. As receitas são bastante variadas, mas têm um ingrediente em comum que faz toda a diferença: o fermento natural.

Ele é o responsável por acrescentar o sabor mais acentuado, característicos desse tipo de produto e de proporcionar mais qualidade e durabilidade. Por ser um componente natural, ele dispensa o uso de aditivos químicos, resultando em tipos de pães mais saudáveis do que aqueles que utilizam fermentos industrializados.

O fermento natural, também conhecido como levain, pode ser produzido na própria cozinha da padaria e mantido por tempo indeterminado. Quer saber como criar e manter o seu próprio levain? Confira as dicas deste artigo!

Como produzir um fermento natural de qualidade?

Para produzir um fermento natural de qualidade, é preciso ter bastante paciência e cuidado em alguns detalhes. Vamos explicar o processo completo a seguir.

Como começar o cultivo do levain do zero?

A criação de um levain é muito simples e pode ser feita de duas formas. A primeira é utilizando apenas água e farinha, que pode ser de trigo branca, integral ou de centeio, em proporções iguais. Comece com uma quantidade pequena, apenas 20g de cada uma é suficiente.

Deixe descansar de um dia para o outro em um recipiente coberto com um pano que permita a passagem do ar. Diariamente, acrescente mais água e farinha, repetindo o processo por cerca de 4 a 6 dias. Depois dessa fase, basta manter o fermento natural alimentado.

A segunda forma de criá-lo é utilizando um líquido fermentado, como caldo de cana, suco de fruta ou outro produto natural rico em açúcares, e farinha. O processo é basicamente o mesmo, o que muda é que esse líquido já contém o que é necessário para a reprodução dos micro-organismos responsáveis pela liberação dos gases e ácidos que transformam a mistura no levain.

Vale ressaltar que isso não altera o sabor do pão, visto que o próprio processo de fermentação do levain elimina as características iniciais do líquido.

Como saber se ele está pronto para ser utilizado?

O fermento natural estará pronto a partir do momento em que surgirem bolhas de ar na mistura. Isso mostra que a cultura de micro-organismos está viva e estabilizada, gerando boas quantidades de gases e ácidos.

Depois dessa etapa, ele pode ser utilizado sempre que necessário, desde que a sua hidratação e alimentação seja mantida com regularidade.

Qual é a proporção correta de alimentação do fermento natural?

O que mantém o fermento natural ativo é a sua alimentação e hidratação, afinal, estamos falando de um ingrediente vivo. A proporção de água e farinha a serem utilizadas varia entre 50% e 100%, conforme a textura desejada do levain.

Se você tem 50g de fermento e precisa dele mais mole, alimente-o com 50g de farinha e 50g de água. Caso prefira um levain mais firme, coloque 50g de farinha e 25g de água. Vamos explicar melhor como escolher entre essas duas texturas mais adiante.

Quais devem ser os cuidados no armazenamento?

O armazenamento do fermento natural não tem muito segredo, mas é importante adotar táticas que sejam adequadas às necessidades da sua padaria. Uma delas é manter sob refrigeração o levain que não for utilizado.

Powered by Rock Convert
Powered by Rock Convert

Isso ajuda a reduzir a atividade da colônia e, consequentemente, o risco de crescimento excessivo. Nessas condições, ele pode passar a ter uma durabilidade maior e a ser mais fácil de controlar. Essa estratégia ajuda a controlar o processo, principalmente em locais com produções menores.

O levain não pode ser mantido em temperatura ambiente. Por essa razão, ele demandará mais atenção, principalmente nos dias de maior calor. O ideal em um país quente como o nosso é mantê-lo refrigerado de 0°C a 5°C. Além disso, a falta de alimentação adequada pode matar seu fermento e jogar todo o seu trabalho fora.

O que deve ser observado em sua utilização?

Antes de utilizar o levain que você acabou produzir ou tirou do refrigerador, você deve se atentar a dois cuidados básicos, que vamos explicar melhor a seguir.

Ative o fermento natural antes de utilizá-lo

Lembra quando dissemos que a atividade da colônia de micro-organismos reduz sob baixas temperaturas? Pois bem, isso faz com que o fermento fique “inativo”, ou seja, perca sua capacidade de fermentação, que é a principal função exercida por ele nas massas de pães. Portanto, é preciso reativá-lo antes de incorporá-lo à receita.

Para isso, basta retirá-lo da refrigeração, alimentá-lo e aguardar por um tempo, que varia conforme a temperatura do ambiente e a proporção utilizada na alimentação. No caso das produções maiores, o próprio volume e a manipulação em si já ativarão o fermento naturalmente.

Lembrando que sendo o levain uma colônia mista de microrganismos, nem sempre a gaseificação (volume e crescimento do pão) é igual a dos pães convencionais feitos com fermento biológico industrializado. Portanto, para ajudar numa maior aceitação pelo consumidor brasileiro, se acrescenta em torno de 0,3% a 0,5% de fermento biológico tradicional. Já que os pães feitos 100% com levain podem ser mais densos e mais pesados para o paladar nacional.

Prepare o levain de acordo com o tipo de resultado pretendido

Como dito anteriormente, o fermento natural pode ter uma textura mais mole, também chamada de líquida, ou mais firme, de acordo com a proporção de água utilizada na alimentação fornecida. As diferenças entre eles se resumem basicamente na textura e incorporação à massa.

A versão mais líquida é mais fácil de ser trabalhada do que a mais firme, nesse quesito. Já os de textura mais sólida, podem ser separados em porções e pesados em balança para facilitar a manipulação.

Já os níveis de ácido lático dependem do tipo e concentração de microrganismos presentes, o meio e a fermentação em si e o tempo de crescimento e espera até a próxima alimentação. Todas essas características podem ser controladas de diversas formas. A mais comum é a escolha dos ingredientes utilizados para iniciar o fermento natural. Cada receita produzirá um tipo de fermento e cabe ao empreendedor definir qual delas é melhor para seu processo e produtos.

O importante é que fermento natural promove um miolo mais denso com alvéolos maiores e mais irregulares, um sabor mais ácido, cascas mais grossas e uma durabilidade na mesa do cliente maior.

Depois de aprender tudo isso sobre o levain, você deve estar ansioso para começar a produzir o seu, não é mesmo? A quantidade de receitas é bem grande e a sua clientela vai adorar as novas opções de pães mais saudáveis e saborosos.

O fermento natural é um universo dinâmico e oferece infinitas possibilidades criativas, à disposição do profissional panificador. A experimentação torna-se uma porta de inovação, maior valor agregado e acrescentando total exclusividade. Então, não deixe para depois, inove agora mesmo em sua padaria!

Gostou deste artigo? Que tal se manter atualizado sobre o universo da panificação? Estamos sempre publicando novos posts e informações do setor em nosso blog e redes sociais. Acompanhe-nos pelo Facebook, YouTube e Instagram!

Powered by Rock Convert
Fornos de PanificaçãoPowered by Rock Convert

Facebook Comments

Tags:
Blog Comments
Avatar

Muito importante as informações,adorei! Clareou muitas dúvidas.

Prática

😀 😀

Avatar

Muito boa as dicas que li e vou começar o meu processo agora mesmo!

Prática

👏👏👏

Avatar

Quero conhecer mais.

Prática

Olá Claudete, tudo bem? Entre em contato conosco no telefone 35 3449-1200 opção 2 ou no e-mail sac@praticabr.com 🙂

Avatar

Tem um artigo que pode ser complementar a esse de vocês: https://www.madrepaesartesanais.com.br/fermentacao/fermento-natural-o-que-e/

Avatar

Adorei, parabéns

Avatar

Nossa! Amei, vou fazer o levian muito obrigada muito valiosa suas palavras eu vou mas eu volto. Gratidão

Avatar

Muito bom

Avatar

Pode se fazer bolo com levain?

Prática

Bolo não dá certo Diva, somente pães mesmo =)

Avatar

Gostei muito cada dia aprendo mais. Obrigada

Deixe um comentário